quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Fábula da Borboleta

Ouvi certa vez uma estória...
Não sei se é verdade ou mentira
Só sei que metade é verdade
Já a outra, pode ser mentira...

Um homem vagava sozinho pelo mundo...
Andando pelas estradas, sem destino...
Encontrou uma borboleta a voar...
Borboletando sonhos pelo caminho...

Enquanto beijava as flores e bebia sua seiva
Gozando a liberdade que lhe assistia...
Achava que a felicidade era ser bela...
E que na vida nada mais havia...

E nos seus sonhos de vaidade
O céu era seu único companheiro
Então passeava por ele...
Sem ninguém a seguir seu paradeiro...

O homem encantado com sua beleza
Tentou, num impulso, pegá-la...
A borboleta assustada voou...
Com medo de ser aprisionada...

Triste, o homem ficou a se lamentar...
Pois sua intenção não era machucá-la...
E arrependido do que fez
Saiu pelo mundo a procurá-la...

Só que o homem não sabia
Que a borboleta não tinha rumo certo...
O céu era seu companheiro...
Portanto seu destino era incerto...

Então, percorreu todo o mundo...
Mas não encontrou a borboleta...
Achou mariposas e libélulas
Que não tinham a mesma delicadeza...

Por fim, quando cansou da sua busca...
Olhou para o céu, azul infinito...
Entendeu que quem ama a liberdade
Encontra na vida o que há de mais bonito...

Ornella Rodrigues

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

"Orlando"

Nome do pai dado ao filho
Homem de força e coragem...
Olhos verdes de mar profundo...
Imenso e infinito, revelam seu coração...
Construiu sua casa em solo de areia
E sua família com braços de ferro
Fez de mim, filha de ondas esmeralda...
Batizou-me Ornella
Flor de Itália...
Batizou-me Maria
Rainha em seu ninho...

os dias passam feito nuvens de chuva não consigo esquecer nossa noite teu rosto desenhado na minha retina cada gemido cada mordida ...