terça-feira, 24 de outubro de 2017


Sobre os vários nãos

Não é que uma hora cansa
Não, não é isso
Todos os dias são cansativos
E chega um dia
Que o peso se torna insuportável
Não sou uma fortaleza, sabe?
Não sou forte e poderosa
Nem invencível
Sou humana
Erro muito mais que acerto
Não fiz santo a toa
Deitei pra orixá pra ter governo
Pra trabalhar minha fé
Ter caminho e paz
Mas os nãos são maiores
E aprendi isso
Aliás
Acho que entendo bastante do assunto
Não sou bem vinda
Não sou correspondia
Não sou normativa
Não sigo cartilhas
Redundante dizer
Que não sou o que deseja
O que você espera
Não sou nada
E se me enxergasse assim
Poderia ter sido mais
Poderia sentido mais
Poderia
Das certezas que tenho
É que construí minhas verdades
Incorruptíveis
Indissolúveis
Talvez seja meu não interno
A dureza de ser água abundante
E sentir-se represada
Dói demais querer existir
Num mundo tão quadrado
Tão certinho
Tão perfeito
Dentro de suas caixas
Dentro de desejos contidos
De pessoas rasas
Mereço a profundeza
Eu busco o abismo
Porque nele
Não há certeza de nada
E já que também sou nada
Deve ser bonito simplesmente
Se entregar e cair


Domingo é foda!
Tinha nos olhos
O som do repique
Um samba
De Paulinho da Viola
Por muito tempo
Minha trilha sonora
Era seu baixo
E o piano de cauda
Esquecido na sala
Faz falta
Aqueles cabelos negros
Escorrendo nos ombros
E aquela tatuagem
Estrategicamente feita
Pra me seduzir
Escorpiano
Com uma língua
De fogo
Que fazia minha boceta
Inundar
De desejo
Malemolência, cadência
Coisa de Ogã, né?
Faz falta
Comer aquela comida
Cheia de alho e azeite
Beber num gole
Aquela pinga mineira
Fumar toda Mary
Que der conta
Pra fugir do pó
Não é fácil
Ouvir samba enredo
E não lembrar suas guias azuis
Penduradas no São Jorge
Foder pela sua casa
Ouvindo Baden Powell
Viver como num suspiro
Depois do gozo
Mas pode deixar
Neguinho
Que eu sobrevivo
Teu vício já cursei
Em outros corpos
Mas de vez enquando
Ouço nossa canção e lembro
Faz tempo
Que a expressão
"Minha preta"
Não faz mais sentido
Soa triste
Dolorido
Prefiro ser a rainha
Que você tanto cantava
Mas que nunca deu
Coroa e nem seu coração



segunda-feira, 16 de outubro de 2017

os dias passam
feito nuvens de chuva
não consigo esquecer
nossa noite
teu rosto desenhado
na minha retina

cada gemido
cada mordida
intensidade
da nossa paixão

seu corpo
é meu vicio
carreira de pó
ponta da ganja
lambo, chupo
até o final

sem medida
sem pausa
sem folego

gosto assim, entregue
de quatro
me pendido
me come, me fode
lindo
pleno
como os versos
que fiz na sua parede
com batom rosa

quero denovo
insaciavel
ansiosa
deixando rastros
no seu lençol
pra você não esquecer
que eu gozei
muito
até sucumbir
explodir na sua boca

desculpa, foi mal
não te telefonei
mas to aqui
escrevendo esses versos
e querendo
esperando
sempre
você

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Corpo movimento
Corpo evento
Que transborda
Desassossego
Corpo que reclama
Do peso
Da vida
Corpo imenso
Intenso
Corpo sem lugar
Sem lar
Corpo ocupação
Sou uma onda
Tempestade
Maremoto
Um Tsumani

terça-feira, 4 de julho de 2017

Sonho com o caminho da sua casa
Todos os dias
Passeio pelos trilhos do VLT
Vou de boteco em boteco
Te procurando
Numa garrafa de cerveja
Só encontro mágoa
Solidão
Já foi o tempo
Que te ver chapado me dava tesão
E sua boca era meu refúgio
Meu naufrágio
Uma noite era o bastante, sempre achei
que eu só queria paixão
Mais uma foda
Pra guardar de recordação
Quando eu tiver bem velhinha
Paro alguns versos desse poema
E sinto sinto ciúme
Porque até esse verso te beija
Menos eu
Ainda sinto a flecha
Que você atirou no meu coração
Seu gosto na minha boca
Escrevo
Tinha tanta coisa pra dizer
E eu só fiz poesia
Eu só gemia
Pra dizer que te amava
Enquanto os bares fechavam
Não tem mais samba
Eu sou aquela moça que canta
Alcione e chora
Pedindo pro amor voltar

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Sou tão
Transparente
Que tu enxergas
Através de mim
E não me percebe
Sangrando


Daqui a pouco
A lua em touro
E eu já farejo
Seu cheiro
De cravo e canela
Já degusto
O sabor
Da sua boca
Já sinto
Suas mãos
Em meu corpo
Transpiro
Inspiro
Profundamente
Mas a sede
É pelo vinho
Seco
Que saí do seu
Sexo
Meu coração acelera
Dói
Como estômago vazio
Não tem jeito
Pois tenho fome
E você é
Meu prato
Principal


(Ao som do blues ou do jazz
Ou só minha voz mesmo)

#luaemtouro
#vênusemtouro

Sobre os vários nãos Não é que uma hora cansa Não, não é isso Todos os dias são cansativos E chega um dia Que o peso se torna insuportável N...